Amazônia a venda no Facebook?

Amazônia a venda no Facebook?

28/04/2021 Off Por VAGNER NEUBERT

Não é segredo para ninguém que o Brasil deixa a desejar na proteção ao meio ambiente, mas agora há o caso da Amazônia a venda no Facebook.

Nos últimos dois anos uma política de meio ambiente diferente foi adotada no país. Com isso, o que se teve foi um aumento significativo no desmatamento de áreas anteriormente protegidas.

Então, agora uma investigação feita pela BBC demonstrou um novo sistema. Pessoas que invadem terras protegidas e se apropriam de terras, agora estão colocando a Amazônia a venda na internet.

O Facebook é uma rede social voltada para a interação entre os membros. No entanto, atenta ao seu potencial, a plataforma tem apostado bastante no marketplace.

O que há da Amazônia a venda no Facebook?

Segundo a investigação feita pela BBC, dezenas de anúncios propõe à venda de grandes partes da Amazônia. A venda é tanto da floresta nativa como de áreas que foram recém desmatadas.

Os valores chegam à casa de milhões de reais e os vendedores buscam, principalmente, clientes fazendeiros. A pecuária e agricultura têm contribuído bastante para o desmatamento.

Dentre as áreas à venda é possível encontrar grandes pedaços de terra em unidades de conservação. Outras adentram áreas protegidas e consideradas como terras indígenas.

A política do fim

A investigação da BBC deu origem ao documentário “Amazônia à venda: o mercado ilegal de áreas protegidas no Facebook”, que foi lançado em fevereiro de 2021.

Segundo se apurou, a venda de partes da Amazônia tem a ver com movimentos políticos. Isso porque há perspectiva que o Congresso Nacional anistie todos os invasores de terras.

Grileiros invadem as terras e fazem o desmate para plantar ou criar gado. Depois, alegam que desconheciam a ilegalidade e que o Estado não poderia tirar a terra que é seu “sustento”.

A bancada ruralista do Congresso atua fortemente para que a anistia, que atualmente abrange os desmatamentos anteriores a 2014, abranja todas as opções possíveis.

O crime compensa

Ao contrário das invasões ocorridas pelo MST, praticamente não existe combate aos grileiros. Eles são mais organizados e invadem terras públicas, enquanto se organizam em associações.

Com CNPJ adequado, contratam advogados, associam-se a políticos e pressionam para que as áreas invadidas lhe sejam concedidas. Nesse caso, apenas um grande fazendeiro é beneficiado.

Conclusão

Aproveitando-se de uma política de proteção ao Meio Ambiente frouxa, bandidos colocaram a Amazônia a venda no Facebook. Se nada for feito, pouco da floresta restará para o futuro.